Abecedário

Universidades, escolas e rankings

 -

Produzido pela repórter Sabine Righetti, blog esmiúça dados do RUF (Ranking Universitário Folha) e de outras avaliações de educação, além de abordar o que acontece nas salas de aula do ensino infantil à universidade.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Universidades: chinesas lá em cima, brasileiras lá embaixo

Por Sabine Righetti

Nesta semana, um novo ranking de universidades do THE (Times Higher Education) mostrou, de novo, que as nossas universidades estão mal.

A listagem avaliou as instituições de ensino superior especificamente do BRICs (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e de outros 17 países emergentes como Turquia, Tailândia e México. Nenhuma brasileira está no topo da lista.

A USP, melhor do Brasil de acordo com o RUF (Ranking Universitário Folha), aparece em 11º lugar no novo ranking de países emergentes do THE (leia sobre isso aqui).

No topo, há duas escolas da China: Universidade de Pequim e Universidade de Tsinghua.

Os chineses, aliás, tem 23 universidades entre as 100 melhores do grupo. O desempenho do Brasil é bem pior: há quatro brasileiras. Além da USP, estão na lista a Unicamp (em 24º lugar), a UFRJ (60º) e a Unesp (87º).

Por que a China vai tão melhor que o Brasil na avaliação de ensino superior?

Os especialistas em rankings e indicadores de avaliação são quase unânimes em dizer que o nosso problema principal é não ensinar em inglês.

Ou seja: diferentemente de universidades de elite de países como China e Turquia, por aqui as aulas são na língua local — o português.

Isso afeta a quantidade de alunos e de docentes estrangeiros na escola e de artigos científicos publicados em revistas de peso (que são em inglês). Esses dois indicadores contam muitos pontos nesses rankings

SEM REAGENTE

Além disso, as universidades brasileiras têm problemas estruturais que fazem delas menos competitivas.

Por exemplo, os salários engessados e padronizados expulsam cérebros. Na China, o governo tem atraído de volta cientistas chineses que tinham migrado para outros países – além de contratar estrangeiros com altos salários.

Outro problema estrutural está nos laboratórios. Os cientistas do Brasil têm dificuldades para importar até reagente, elemento básico em pesquisa de bancada. Cada pedido pode levar quatro meses para chegar.

O que falta no Brasil é uma política nacional agressiva para que as nossas melhores universidades tenham nível world class, ou sejam, sejam as melhores da América Latina, as melhores dos países emergentes e que estejam entre as melhores do mundo.

Isso a China já tem feito com sucesso há alguns anos. No Brasil, por enquanto, o que temos feito é criticar os critérios dos rankings (leia sobre isso aqui).

Blogs da Folha