Abecedário

Universidades, escolas e rankings

 -

Produzido pela repórter Sabine Righetti, blog esmiúça dados do RUF (Ranking Universitário Folha) e de outras avaliações de educação, além de abordar o que acontece nas salas de aula do ensino infantil à universidade.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Ninguém aprende a economizar água na escola

Por Sabine Righetti

O calor e a seca em São Paulo estão fazendo com que a falta de água tenha se tornado um dos principais assuntos das redes sociais à mesa de bar. Só se fala disso.

Algumas cidades da região de Ribeirão Preto (cerca de 300km de SP), por exemplo, já estão racionando água.

A capital provavelmente terá de racionar –a reserva está com menos de 20% da capacidade e a expectativa é de chuvas apenas em março. ‘Precisamos  economizar água’ virou um mantra.

Mas alguém aí aprendeu a fazer isso?

Explico: dificilmente conceito básicos de cidadania, de democracia e de urbanização são passados na escola.

Há exceções, mas de maneira geral é raro que as nossas lousas tragam debates sobre de onde vem a água que bebemos, a energia que usamos e como funcionam as cidades em que estamos inseridos.

Logo, nossos estudantes não têm ideia do quão importante é economizar água com ou sem seca –e logo mais eles serão os adultos que usarão a tal água que precisa ser economizada.

Como resolver isso?

NA SALA DE AULA

Certamente não precisamos criar novas disciplinas para falar de consumo de água na escola: podemos usar as aulas que já existem para isso.

Existe algo mais atual em geografia do que usar um mapa da cidade apontando o trajeto da produção de água e de energia, cruzando a cidade até as  nossas casas?

A aula de redação pode servir para que os alunos debatam formas de mostrar para a população a importância da redução do consumo de água hoje em dia.

A matemática pode calcular o consumo pela população e fazer projeções mostrando como as reservas cairão se não chover ou se o consumo não diminuir.

Por aí vai.

A geração atual já é ambientalmente mais consciente do que as anteriores (como a minha) porque tem mais acesso à informação. Já vi muita criança dando bronca nos pais que lavavam a louça com a torneira aberta.

Agora imaginem se incluirmos esse tema na sala de aula? Poderia ser o começo de uma revolução sustentável.

Vamos começar?

Blogs da Folha