Na abertura da Copa, pais ensinam filhos a xingar croata de ‘viadinho’

Por Sabine Righetti

Eu não fui à Arena Corinthians na abertura da Copa do Mundo no Brasil.

Não vi de perto o duelo de Cláudia Leitte e Jennifer Lopez, não estava lá quando a presidente Dilma Rousseff foi vaiada e nem presenciei os gols do Brasil contra a Croácia.

Mas acompanhei uma discussão interessante para o blog.

Uma colega da Folha super talentosa, Lígia Mesquita, estava no estádio e fez um relato interessante sobre o que ela presenciou.

Ela disse ter visto criancinhas pequenas xingando de peito estufado a presidente Dilma. Eram encorajadas pelos pais, que xingavam junto.

Tais crianças, diz Mesquita, teriam entre 5 e 7 anos.

As mesmas crianças também xingaram os adversários do Brasil no jogo, os croatas.

“Ouvi gritarem ‘chupa’ para os croatas.”

CROATA ‘VIADINHO’

“Também cantavam ‘todo croata que conheço é viadinho’ à exaustão”, diz Mesquita.

Todo croata que conheço é viadinho? Oi? (Quantos croatas essas crianças conhecem?)

E os pais? “Estavam gargalhando e estimulando.”

Mesquita chama atenção para um ponto bastante importante nessa discussão.

“Foram cenas protagonizadas, em sua maioria, por pessoas que reclamam que os gastos da Copa deveriam ter sido destinados para educação.”

Pois é.

Faz algum sentido brigar por gastos em educação, ir à Arena Corinthians com os filhos e incentivá-los a xingar a presidente e os croatas? Não, claro que não.

Xingar –seja a presidente, seja o time adversário– é um dos sinais mais claros de falta de educação, de analfabetismo político, de falta de argumentos, de falta de respeito. Já escrevi sobre isso aqui no blog.

Na estréia de outro país na Copa, o Japão, a cena foi bem diferente.

SACOS DE LIXO

Os japoneses não xingaram ninguém. E quem esteve na Arena Pernambuco relatou que, ao final do jogo, a torcida do Japão usou sacos plásticos próprios para limpar o estádio (leia aqui).

O Japão tem um dos melhores índices de educação do mundo em avaliações internacionais e já ultrapassou até países “top” como a Finlândia.

Já o Brasil continua no final da lista de países avaliados por exames internacionais como o Pisa, da OCDE.

Será mesmo que para melhorar a educação do nosso país precisamos apenas de mais dinheiro?

Se queremos mais educação temos de ter mais educação.