Há algo errado com o nosso movimento estudantil

Por Sabine Righetti

Certa vez perguntei a um especialista brasileiro em ensino superior o que faltava para que o Brasil tivesse universidades mais competitivas internacionalmente. O que precisávamos fazer para que as nossas instituições fossem responsáveis pelos principais trabalhos de impacto mundial e que formassem as grandes cabeças transformadoras da nossa sociedade? A resposta: “nas melhores universidades do mundo os alunos não invadem a reitoria.”

Pois é, nas melhores universidades do mundo os alunos realmente não invadem a reitoria. Também não saem quebrando coisas para que sejam ouvidos –como aconteceu na semana passada na UERJ, em um prejuízo avaliado em R$ 100 mil (leia aqui). Precisamos falar sobre isso.

O país tem hoje 101 universidades públicas em pleno funcionamento, mantidas com dinheiro estadual ou federal. Algumas delas estão entre as melhores do país, caso da USP, das federais de Minas Gerais, do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul e da Unicamp (as cinco melhores universidades do país de acordo com o último RUF). A UERJ, no caso, está entre as 20 melhores do país e se destaca especialmente pela sua pesquisa acadêmica.

Apesar de serem top por aqui, as universidades públicas têm, sim, muitos problemas. São cheias de burocracias, têm gestão lenta e muitas questões financeiras. Quer ver? No ano passado, a USP, maior e melhor do país, mergulhou na pior crise financeira revelada de sua história e chegou a gastar 25% a mais do que recebia do governo.

Neste ano, foi a vez das instituições federais. Com corte de recursos do governo federal paralelamente ao aumento das contas básicas –como energia e serviços terceirizados– parte das federais ficou sem luz e sem coleta de lixo. Essas escolas também ficaram sem aumento de salário, o que fez com que 56 instituições federais, entre universidades e institutos, entrassem em greve no final de maio.

A nossa universidade não é uma ágora

É válido questionar esses tantos problemas da nossa universidade pública. É igualmente válido refletir sobre o modelo dessa nossa universidade pública, que aprova, em sua maioria, alunos da elite e que consome bilhões dos cofres públicos. Esse tipo de reflexão é esperada dos alunos –afinal, é das universidades públicas que sai boa parte dos pensadores, gestores, empreendedores e políticos brasileiros. Espera-se que sejam pessoas questionadoras, certo? Certo. Não se espera, no entanto, que sejam pessoas truculentas, violentas e que saiam quebrando o patrimônio público para que sejam ouvidos em um cenário de democracia.

VIDROS QUEBRADOS

Vamos fazer o seguinte raciocínio: quando estamos na rua, ficamos muito chateados quando avistamos, por exemplo, pontos de ônibus danificados. Também não gostamos nada de estar em um vagão do metrô em que alguém quebrou o vidro. Isso é resultado da ação de quem destrói bens que são do uso de todos. Se alguém danifica um bem comum, o governo paga a conta e o dinheiro sai do nosso bolso, via impostos.

Na universidade pública é exatamente a mesma coisa. Nada muda. Quer dizer, há uma diferença importante: nas universidades, os prédios, salas de aulas e equipamentos são de uso de uma minúscula parcela da sociedade que tem acesso ao ensino superior gratuito, mas a sociedade inteira paga a conta. Você estuda na USP? Ótimo, você faz parte de 1% de quem está matriculado no ensino superior brasileiro, mas todo mundo paga a conta. Incluindo eu e você. Mas nós não queremos pagar pelos custos da depredação da universidade.

Há alguns anos estive na mesma USP em um episódio de quebra-quebra que havia dado um baita prejuízo. Lembro-me de ter visto jovens com marretas em punho. Perguntei a eles se tinham tentado uma audiência com o então reitor. A resposta foi que não, pois eles queriam o  impeachment do tal reitor. Ok. Mas é preciso mesmo “quebrar tudo” para participar da gestão universitária ou para se manifestar contra ela?

Juntos, esse grupo de estudantes (cerca de 500 pessoas) totalizava 0,5% dos alunos da universidade (são mais de 90.000). Decidir, em minoria absoluta, por quebrar o espaço de uma reitoria da qual se é contra é democrático? Não, claro que não.

CINTOS E PEDRAS

Novamente, insisto: a universidade pública tem problemas. O que está ao redor dela também. É absurdo que os seguranças de uma instituição de ensino reajam com cintos e com pedras contra estudantes, como aconteceu na UERJ, na semana passada. É igualmente absurdo que a PM reaja com violência descabida contra estudantes e funcionários da USP em um dia de paralisação nacional, como também aconteceu na triste semana passada. Não podemos, igualmente, aceitar que as contas das nossas universidades estejam atrasadas, que o lixo esteja se acumulando nos corredores e que os banheiros não tenham papel higiênico. Nada disso acontece lá nas melhores universidades do mundo.

Aqueles que formam as melhores cabeças desse país, que inovam e que impulsionam o Brasil para frente –os docentes das universidades públicas– não podem ter seu salário defasado. Sim, precisamos de mais dinheiro para o ensino superior e para a educação de maneira geral.

Muito me assusta, no entanto, que quem mais deveria entender o que é uma democracia, o que é patrimônio público e quais são as regras do jogo prefira o vandalismo a qualquer outra forma de participação. Reclamam a falta de recursos quebrando coisas e, assim, aumentam os custos de manutenção de universidades que já respiram por aparelhos. É essa elite intelectual que estamos formando e que daqui alguns anos estará, talvez, ocupando os principais postos de comando deste país.