Em tempos de vacas magras, Capes e CNPq lançam bolsas inéditas em pesquisa e inovação

Boa notícia para quem trabalha com inovação: a Capes e o CNPq, agências federais que fomentam ciência no país, lançam nesta quinta (25) um edital inédito com 90 bolsas para as unidades credenciadas à Embrapii (Empresa Brasileira e Pesquisa e Inovação Industrial), conhecida como “Embrapa da inovação”. A informação foi obtida pelo Abecedário com exclusividade. O edital estará disponível no site da Capes.

Ao todo, serão 90 bolsas financiadas conjuntamente pela Capes e pelo CNPq com valores mensais entre R$ 4 mil e R$ 7 mil  –um aporte superior ao aplicado em bolsas de pesquisa acadêmicas no país. Para se ter uma ideia, um bolsista de pós-doutorado sênior com apoio do CNPq recebe hoje R$4.400 mensais. O investimento total do novo edital com bolsas de inovação será de R$5,5 milhões.

Na prática, vai funcionar assim: quem coordena um projeto de uma instituição como o CESAR (Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife), que é uma das 42 unidades vinculadas à Embrapii, poderá solicitar até três bolsas  –já indicando quem serão os bolsistas. De acordo com o edital,  a qualificação dos profissionais será levada em conta na seleção.

Os projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação estão a cargo das unidades vinculadas à Embrapii, como o CESAR, o IPT ou o Coppe-UFRJ, em parceria com a indústria. Hoje, são 280 empresas credenciadas na Embrapii, como Natura, Embraer e Whirpool.

FUGA DE CÉREBROS

De acordo com o diretor-presidente da Embrapii, Jorge Guimarães (ex-presidente da Capes por uma década), a expectativa é que as bolsas atraiam especialmente pós-docs –profissionais altamente capacitados que já terminaram o doutorado. “Queremos evitar que os jovens saiam do Brasil [no contexto da atual crise econômica]”, diz. O fenômeno é chamado fuga de cérebros.

“Depois da bolsa, esse jovem poderá criar uma startup ou uma pequena empresa, ou pode ser contratado pela indústria parceira”, diz Guimarães.

O chefe da Embrapii disse ainda que os R$5,5 milhões destinados ao novo edital não devem ser encarados de modo competitivo –como se tivessem sido “desviados” dos recursos das bolsas acadêmicas. “Não se trata de financiamento à ciência básica [pesquisa científica voltada, por exemplo, para a compreensão de fenômenos naturais], mas é financiamento à pesquisa e à formação de pessoas.”

A Embrapii foi criada em 2013, na gestão de Aloizio Mercadante, quando o assunto “inovação” passou a integrar oficialmente o então Ministério de Ciência e Tecnologia (hoje Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações).