Maior parte dos aluninhos do Brasil tem celular. Como lidar?

Uma análise dos dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE, mostra que a maioria dos estudantes do Brasil tem celular a partir do 7º ano do ensino fundamental, ou seja, com uma média de 12 anos de idade.

Na rede privada de ensino, o aparelho celular chega ainda mais cedo: aos dez anos de idade os aluninhos já têm celular.

Os dados foram tabulados pelo coordenador de projetos da Fundação Lemann, Ernesto Martins Faria, em um estudo que ele fez sobre a relação educação e consumo.

Os números não mostram qual é o tipo de aparelho que os estudantes têm em mãos. Mas supondo que boa parte desses celulares tenha acesso à internet, games e muita distração. Como lidar?

Conheço escolas que obrigam que os alunos deixem o aparelho na entrada do prédio e que peguem na saída. Outras permitem o uso, desde que apenas no modo “telefone”.

Algumas tentam integrar o aparelho na rotina da sala de aula. Por exemplo, permitem que os alunos pesquisem informações no Google ou que usem o aplicativo de calculadora do aparelho.

Ao que parece, as escolas ainda não encontraram a receita ideal sobre como lidar com aparelhos de celular e estudantes. Nem as universidades.

Quando estiver na Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, as regras sobre o uso do celular variavam em cada disciplina. Numa delas, usar o celular resultava em expulsão da sala de aula. Em outros cursos, o professor pouco ligava se o aluno jogava Candy Crush enquanto ele falava sobre teóricos que estudaram ética e moral.

Qual é sua opinião sobre celular e sala de aula? Proibir ou permitir?

 

Comentários

  1. Há 50 anos atrás se estudava e aprendia, agora só se vê bagunça e um monte de burrinhos e autista (nunca é com eles e não viram nada), só sabem mesmo mexer em celular, uma pena, mais é vergonhoso.

    1. Diana, obrigada pelo comentário. No ano passado eu voltei para a universidade e fiquei impressionada com os alunos andando e olhando o celular o tempo inteiro. Fiquei me questionando para onde eu olhava enquanto andava durante a minha graduação? *risos* Continue acompanhando o blog! Sabine

  2. O celular pode até ajudar nas pesquisas em sala de aula. Mas, com a atual falta de educação e ética tecnológica de professores e alunos, o melhor seria instalar bloqueadores de sinais de celular dentro das escolas. Assim, todos usariam seus aparelhos como calculadoras ou simples pesos para papel, sem perturbar os pobres e mal pagos professores. Eu sou um deles e sei como é difícil lidar com adolescentes que só querem ir para a escola para fugir da autoridade doméstica, achando que na sala de aula podem fazer o que quiserem. Comigo não, tabaréu!

    1. Francisco, obrigada pelo comentário. Vejo que muitos alunos realmente usam o celular o tempo inteiro, incluindo na aula. Abraços e continue lendo o blog, Sabine

  3. Infelizmente, com o avanço tecnológico se acentuou o gap entre escola e sociedade, o mundo dos alunos é digital, e com certeza ELES gostariam de ter essa realidade na escola também. Acredito que para evitar os incômodos de ter os alunos brincando com celular ou outras distrações, só uma mudança estrutural no nosso caótico sistema educacional.

  4. Não desprezo a importância da questão mas vejo que independente de nossa opinião, muitos pais abraçam causas erradas de seus filhos, permitindo o uso do celular e desrespeitando o professor em sala de aula. Que medidas efetivas serão tomadas quando vemos hoje uma juventude mal criada e paparicada? E o que dizer do ECA que parece mais atrapalhar do que ajudar? Regras devem ser obedecidas pelos alunos mas eles não são educados para tal, tanto quanto muitos pais desrespeitam. No meu tempo tive um diretor linha dura e hoje reconheço que ELE ESTAVA CERTO – a escola é o primeiro ambiente fora do lar onde a criança deve aprender a respeitar regras já que isso não acontece em casa….. Lamento pelos professores de hoje!

  5. Boa noite! Aposentei-me – como Professora de Língua e Literatura em colegial – há dezoito anos.
    Jamais tive problemas de disciplina, já que a conversa, com o intuito de conscientizar sobre isso ou aquilo, era frequente. Assim, acredito que, se estivesse na ativa, hoje, tentaria usar a mesma estratégia.
    Por outro lado, considero que a leitora Diana, cujo comentário aparece acima, não está errada em suas considerações, não! O progresso nem sempre está aliado ao bem total.

    1. Mara, é verdade. Assim como o celular é uma questão agora, outras questões existiram anteriormente. É preciso sempre dialogar com os alunos, né? abraços e obrigada pelo comentário, Sabine

  6. que bom se os alunos tivessem disciplina e consciencia ao usar o aparelho, seria uma ferramenta otima, mas nao e isso que acontece. Tudo vira motivo de farra, uso indevido de camera fotografica e filmadora , fotos e videos que vao pro face e youtube. Desconcentracao total e aprendizado nenhum, sem falar de jogos, musica, bate papo…uma estrategia achei legal fotografar o gabarito da prova e postar no face …mereceu um dez por difusao da informacao.

  7. Acredito que essa questão apresente dois pontos distintos.
    O primeiro é o telefone em si, que em minha opinião não deve ser utilizado dentro de uma sala de aula – se o aluno quer falar com alguém que saia da sala ou espere o término da aula.

    O segundo é o acesso à internet e a arquivos que podem ser guardados no aparelho – nesse caso visto como um smartphone, tablet ou laptop (esse último extremamente comum nas universidades fora do país). Sua utilização dependerá exclusivamente da escola / universidade e da forma como ela encara a tecnologia e seus meios de utilização como ferramenta para auxílio ao estudante.

    Particularmente, sou favorável ao uso de tecnologia (móvel e portátil) para trabalho e estudo. Sua utilização, porém, depende da escola e 100% do aluno / usuário.

  8. Olá Sabine,

    Gente é claro que o celular deve não apenas ser permitido como Utilizado como ferramenta de aprendizagem desses aluno. Pq não utilizar a ferramenta que eles já dominam todas as mídias e aplicativos para auxiliar no processo de aprendizagem DELE dentro da sala de aula, ou até mesmo fora. O celular deve sim ser utilizado a favor da educação.
    Eu apoio.

  9. Eu, como aluno do 3 ano do ensino médio, não posso deixar de comentar sobre isso, acho incrível que há os dois lados da moeda ( a primeira com menor proporção): alunos que querem utilizar a tecnologia de forma benéfica (como tentei a 2 anos e fui realmente reprimido e somente após conversar com a coordenação e explicar como utilizava o celular que fui liberado), e aquelas alunos que utlizam de forma errônea, que infelizmente, são grande maioria. A palavra que está em voga hoje em dia serve para qualquer situação: conscientizar. O problema não está em como a escola lida com o celular mas sim com os pais, que por serem muito ausentes, deixam os filhos serem “auto didatas” e sequer procuram explicar que aquele mundo enorme dentro do celular possui também perigos.

  10. Curioso como a escritora do texto, especialista em política de educação e ciências sequer deu alguma idéia, limitando-se apenas a fazer um texto descritivo da situação. Educado de sua parte seria ter dito algo, ou ficasse de boca calada, se não possui nada a acrescentar.

    1. Fábio, a proposta do blog é discutir ideias sobre o universo da educação e não apenas apresentar ideias. Justamente por isso eu convido os leitores ao debate. Abraços, Sabine

  11. Absurdo celular na sala de aula , sempre estudei e nunca precisei de celular nas aulas , acho que dentro da sala de aula deve ser proibido

  12. EU ACHO QUE CELULAR NA ESCOLA DEVERIA SER ACEITO, PORQUE OS ALUNOS AMAM OS APARELHOS ELETRONICOS E MESMO SE NòS PROIBISIMOS ELES IAM QUERER TRAZER DO MESMO GEITO.

Comments are closed.